segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

O que é EPI, o que é EPC, diferença entre EPI e EPC

Os Equipamentos de Proteção Radiológica
destinam-se à proteção de trabalhadores, pacientes e indivíduos do público, em todas as ocasiões em que 
estes estiverem expostos às radiações ionizantes, desde que seu uso não influencie 
os resultados do procedimento. Esses equipamentos podem ser classificados em 
Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e  equipamentos de Proteção Coletiva 
(EPCs).

A proteção radiológica em radiologia diagnóstica visa, fundamentalmente: fornecer 

condições de trabalho seguro aos radiologistas e técnicos de raios-X; conscientizar 

os radiologistas e técnicos da necessidade de utilizar técnicas radiográficas que 

permitam uma redução de dose de radiação nos pacientes e indivíduos do público e 

impedir, através de atenuadores, o escape de radiação para as vizinhanças do setor de radiologia.
Os aparelhos de raios-X de um serviço radiológico devem ser, sempre que possível, 


instalados em uma mesma área. As salas devem ter dimensões compatíveis aos usos 

dos equipamentos, à movimentação da equipe e dos pacientes. O painel de controle 

do aparelho de raios-X deve estar situado em uma posição de onde seja possível ver e 

falar com o paciente. As portas das salas de raios-X devem ser sinalizadas de modo a 

evitar a entrada inadvertida de pessoas com conseqüente exposição desnecessária.
O técnico que opera o equipamento de raios-X deve usar, no mínimo, um monitor 


individual de radiação, ocupar sempre posições de onde possa ver e falar com o 
paciente, e estar devidamente protegido das radiações, seja através de uma barreira 

fixa, seja pelo uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
Quanto à proteção do paciente, o nível de exposição às radiações depende de muitos 


fatores físicos e técnicos. Entre os fatores que conduzem a uma redução da exposição 
se incluem a eliminação da radiação que não contribui para a formação de imagem útil 

e a seleção correta do sistema de detecção,
processamento e avaliação da imagem. Sempre que não causem interferência no 


diagnóstico desejado, protetores de gônadas devem ser colocados nos pacientes quando da realização de exames em que as gônadas fiquem dentro ou nas 

proximidades do feixe útil de radiação. Este procedimento é ainda mais importante em 

se tratando de crianças. Em pacientes do sexo feminino, deve-se indagar de imediato 

da possibilidade da paciente estar grávida. Em caso positivo, sempre que possível, o 

exame deve ser adiado, caso seja impossível, os cuidados devem ser redobrados.
Assessórios - Quanto à proteção do acompanhante, em situações normais, nenhuma 


pessoa deve permanecer na sala durante exames radiológicos. Deve-se usar sempre 

que possível acessórios adequados à imobilização do paciente. Caso seja inevitável 

que alguém segure o paciente, devem ser fornecidos a esta pessoa, todos os 

Equipamentos de Proteção Individual necessários.  






  • Como minimizar os efeitos da radiação ionizante








  • A minimização dos efeitos da radiação nos trabalhadores inicia pela avaliação de risco, o correto planejamento das atividades a serem desenvolvidas, utilização de instalações e de práticas corretas, de tal forma a diminuir a magnitude das doses individuais, o número de pessoas expostas e a probabilidade de exposições acidentais.
    Os equipamentos de proteção (EPC e EPI) devem ser utilizados por todos os trabalhadores, além de ser observado a otimização desta proteção pelo elaboração e execução correta de projeto de instalações laboratoriais, na escolha adequada dos equipamentos e na execução correta dos procedimentos de trabalho.
    Por outro lado o controle das doses nos trabalhadores deve considerar três fatores:
    1. Tempo:
    A dose recebida é proporcional ao tempo de exposição e à velocidade da dose D = t x velocidade da dose
    2.Distância:
    A intensidade da radiação decresce com o quadrado da distância D1/D2 = (d1/d2)2
    3.Blindagem:
    A espessura da blindagem depende do tipo de radiação, da atividade da fonte e da velocidade de dose aceitável após a blindagem. Para a protecção do trabalhador os comandos do equipamentos devem ter blindagem, assegurando que o técnico possa ver e manter o contacto com o paciente no decorrer do exame. As próprias salas devem ter blindagem, por forma a assegurar e garantir a segurança radiológica tanto do técnico como do pessoal circunvizinho à sala. Estas protecções devem ter espessura suficiente para garantir a proteção contra a radiação primária e a radiação difundida que pode atingir as paredes da sala.
    No cálculo das blindagens leva-se em conta:
    *  a energia da radiação produzida;
    *  a quantidade de radiação produzida por determinado período (carga de trabalho);
    *  grau de ocupação ou frequência do ponto de interesse;
    *  material a ser usado como blindagem.
    *  Para a blindagem de raios X e Gama usa-se geralmente o chumbo. Contudo outros materiais podem ser utilizados embora a espessura necessária para se obter a mesma atenuação que com o chumbo seja muito maior.


    A garantia de que as condições de trabalho é adequada do ponto de vista da proteção pode ser obtida através do levantamento radiométrico da instalação. Esta medida tem por objetivo verificar se durante a operação, a instalação apresenta níveis de segurança adequados aos trabalhadores.










  • Controle à Exposição



















    1. Monitorização
    Este processo tem como objetivo garantir a menor exposição possível aos trabalhadores e garantir que os limites de dose não são superados.


      Tipos de Monitorização:
    *  Pessoal - procura estimar a dose recebida pelo trabalhador durante as suas atividades envolvendo radiação ionizante. As doses equivalentes são determinadas pela utilização de um ou vários dosímetros que devem ser usados na posição que forneça uma medida representativa da exposição nas partes do corpo expostos à radiação. No caso do trabalhador usar diferentes tipos de radiação então diferentes tipos de dosímetros devem ser utilizados:
    *  Monitorização da radiação externa;
    *  Monitorização da contaminação interna
    *  De área - Tem por objetivo a avaliação das condições de trabalho e verificar se há presença radioativa. Os resultados das medidas efetuadas com os monitores da área devem ser comparados com os limites primários ou derivados, a fim de se tomar ações para garantir a proteção necessária.









  • Tipos de Dosímetros


















  • Diversos métodos ou sistemas foram desenvolvidos a fim de possibilitar a determinação da dose de radiação. O objetivo é o de quantificar a energia absorvida, a fim de proporcionar um conhecimento mais profundo dos efeitos da radiação ionizante sobre a matéria.





    Nenhum comentário:

    Postar um comentário